PERCEPÇÃO DE ALUNOS SOBRE A ATUAÇÃO DE FUNCIONÁRIOS ESCOLARES EM SITUAÇÕES DE VIOLÊNCIA

Ana Carina Stelko-Pereira, Paloma Pegolo de Albuquerque, Lúcia Cavalcanti de Albuquerque Williams

Resumo


As consequências da violência escolar para os estudantes vitimizados têm sido muito estudadas: sintomas de depressão, ansiedade, notas baixas, abandono escolar, bem como comportamentos agressivos. O objetivo desse artigo é analisar a percepção dos estudantes sobre a atuação dos funcionários escolares em situações de violência na escola. Um questionário de autorrelato desenvolvido para o estudo, com questões acerca das experiências de vitimização escolar nos últimos seis meses, foi utilizado em três escolas com diferentes características socioeconômicas do público atendido numa cidade do Sul do Brasil. Participaram aproximadamente 220 estudantes por escola (669 estudantes no total), 53,7% eram meninas e 46,3% eram meninos, com uma média de idade de 12,9 anos, da quinta a oitava séries do Ensino Fundamental. Não houve diferença significativa entre as escolas acerca da proteção fornecida pelos funcionários. Na presença destes, em média 78% dos estudantes foram xingados (chi-square, d.f.=4, Z=7.892, p=0,096), 54% foram ameaçados (chi-square, d.f.=4, Z=2.742, p=0,602), e 54% agredidos fisicamente (chi-square, d.f.=4, Z=8.181, p=0,085). Quando os estudantes tinham problemas na escola, a maioria contou aos pais (63%), 55% relataram aos amigos, sendo os professores escolhidos em terceiro lugar (19%), (alguns estudantes não relataram a qualquer pessoa - 11%). Quando os estudantes não são protegidos pela equipe escolar podem tentam revidar as ofensas sofridas, agregarem-se a gangues e usar a violência como norma social.

Palavras-chave
: violência na escola; funcionários escolares; percepção dos estudantes.

Agência financiadora: FAPESP


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.14244/19827199277

____________

Propriedade Intelectual

Revista Eletrônica de Educação adota a licença Creative Commons BY-NC do tipo "Atribuição Não Comercial".

Essa licença permite, exceto onde está identificado, que o usuário final remixe, adapte e crie a partir do seu trabalho para fins não comerciais, sob a condição de atribuir o devido crédito e da forma especificada pelo autor ou licenciante.

Para mais informações, consultar: https://br.creativecommons.org/

____________

REVISTA ELETRÔNICA DE EDUCAÇÃO. São Carlos (SP): Universidade Federal de São Carlos, Programa de Pós-Graduação em Educação, 2007- . Publicação contínua. ISSN 1982-7199. Disponível em: http://www.reveduc.ufscar.br