Linguagem e o processo de ensino e aprendizagem em Química: leituras contemporâneas de Vigotski apoiadas por Tomasello (Language and the teaching and learning process in Chemistry: contemporary readings of Vygotsky supported by Tomasello)

Fernando César Silva

Resumo


Considering a sociocultural perspective, the role of language in the teaching and learning process in Chemistry goes beyond a simple vehicle for the transfer of information, such as names of substances, laboratory glassware and formulas. This new reading of the role of language in the process of teaching and learning is anchored in Vygostsky's studies, which emphasizes the importance of the social and cultural nature of mental activities. The Tomasello's ideas can clarify the discussion about cultural processes at the origin of language acquisition. For this discussion, in the form of a theoretical essay, from contemporary readings of these authors, some approximations between their ideas are established, highlighting some implications on language in the teaching and learning process in Chemistry, such as: i) students need to participate in their own acquisition of the scientific language; (ii) this acquisition is not through memorization, but through problematization, and (iii) teachers must recognize how students are perceiving that language and not simply consider it as already acquired. However, this debate on the new role of language must be investigated by researchers in the field, since in addition to the difficulties pointed out in this essay, the nominalization process and the grammatical metaphor, for example, are important sources of difficulties found in the acquisition of scientific language.

Resumo

A partir de uma perspectiva sociocultural, o papel da linguagem no processo de ensino e aprendizagem em Química ultrapassa a característica de um simples veículo para a transferência de informações, como por exemplo, nomes de substâncias, vidrarias de laboratório e fórmulas. Neste contexto, o papel da linguagem no processo de ensino e aprendizagem baseado nos estudos de Vigostski ressalta a importância da natureza social e cultural das atividades mentais. E, a inserção das ideias de Tomasello enriquece a discussão dos processos culturais no desenvolvimento da aquisição da linguagem. Para essa discussão, em forma de ensaio teórico, a partir de leituras contemporâneas desses autores, são estabelecidas algumas aproximações entre suas ideias. A apresentação dessas semelhanças permite clarear o entendimento dos professores acerca do novo papel da linguagem, além de enfatizar implicações importantes relacionadas ao processo de ensino e aprendizagem em Química, tais como: i) os estudantes precisam participar de sua própria aquisição da linguagem científica; ii) essa aquisição pode ser mais efetiva pela problematização, e não pela memorização e, iii) os professores devem reconhecer como os estudantes estão percebendo essa linguagem, e não, simplesmente, considerá-la como já adquirida. No entanto, esse debate sobre o novo papel da linguagem deve seguir adiante pelos pesquisadores da área, visto que, além das dificuldades apontadas neste ensaio, há de se considerar que, o processo de nominalização e a metáfora gramatical, por exemplo, são fontes importantes de dificuldades para a aquisição da linguagem científica.

Resumen

Desde de una perspectiva sociocultural, el papel del lenguaje en el proceso de enseñanza y aprendizaje en Química excede la característica de un vehículo para la transferencia de informaciones, como por ejemplo nombres de sustancias, vidriería de laboratorio y fórmulas. En este contexto, el papel del lenguaje en el proceso de enseñanza y aprendizaje se ancla en los estudios de Vygostsky, que resalta la importancia de la naturaleza social y cultural de las actividades mentales. Y la inserción de las ideas de Tomasello enriquece la discusión de los procesos culturales en el desarrollo de la adquisición del lenguaje. Para esta discusión, en forma de ensayo teórico, a partir de lecturas contemporáneas de esos autores, se establecen algunas aproximaciones entre sus ideas. La presentación de estas semejanzas permite clarificar el entendimiento de los profesores acerca del nuevo papel del lenguaje, además de enfatizar implicaciones importantes relacionadas al proceso de enseñanza y aprendizaje en Química, tales como: i) los estudiantes necesitan participar de su propia adquisición del lenguaje científico; ii) esa adquisición puede ser más efectiva por la problematización, no por la memorización y, iii) los profesores deben reconocer cómo los estudiantes están percibiendo ese lenguaje, y no, simplemente, considerarla como ya adquirida. Sin embargo, este debate sobre el nuevo papel del lenguaje debe seguir adelante por investigadores del área de Educación, ya que, además de las dificultades señaladas en este ensayo, hay que considerar que el proceso de nominalización y la metáfora gramatical, por ejemplo, son fuentes importantes de dificultades para la adquisición del lenguaje científico.

Keywords: Sociocultural perspective, Chemistry Education, Language.

Palabras clave: Perspectiva sociocultural, Educación Química, Lenguaje.

Palavras-chave: Abordagem sociocultural, Educação em Química, Linguagem.

References

ÁLLAN, S.; Souza, C. B. A. O modelo de Tomasello sobre a evolução cognitivo-linguística humana. Psicologia: Teoria e Pesquisa, v. 25, n. 2, p. 161-168, 2009.

CHILDS, P. E.; MARKIC, S.; RYAN, M. C. The role of language in the teaching and learning of Chemistry. In: GARCÍA-MARTÍNEZ, J.; SERRANO-TORREGROSA, E. (Eds.). Chemistry Education: Best Practices, Opportunities and Trends. Weinheim: Wiley-VCH Verlag GmbH & Co, 2015. Cap. 17. p. 421-445.

DRIVER, R.; ASOKO, H.; LEACH, J.; MORTIMER, E.; Scott, P. Constructing scientific knowledge in the classroom. Educational Researcher, v. 23, n. 7, p. 5-12, 1994.

HALLIDAY, M.A.K. Some grammatical problems in scientific English. In: Halliday, M. A. K.; MARTIN, J. R. Writing science. London: Falmer Press, 1993.

HODSON, D. Teaching and learning science: towards a personalized approach. Berkshire, UK: Open University Press, 1998.

JACOB, C. Interdependent operations in chemical language and practice. HYLE–International Journal for Philosophy of Chemistry, v. 7, n. 1, p. 31-50, 2001.

KOKKOTAS, Panagiotis V.; RIZAKI, Aikaterini A. Does history of science contribute to the construction of knowledge in the constructivist environments of learning? In: KOKKOTAS, Panagiotis V.; MALAMITZA, Katerina S.; RIZAKI, Aikaterini A. (Eds.). Adapting historical knowledge production to the classroom. Rotterdam: Sense Publishers, 2011. Cap. 5, p. 61-84.

LABINGER, Jay A.; WEININGER, Stephen J. Controversy in chemistry: how do you prove a negative? – The cases of Phlogiston and Cold Fusion. Angewandte Chemie International Edition, v. 44, p. 1916-1922, 2005.

MARKIC, S.; CHILDS, P. E.  How to deal with linguistic issues in chemistry classes. In: Eilks, I.; Hofstein, A. (Eds). Teaching chemistry: a study book. Rotterdam: Sense Publishers, 2013. Cap. 5. p 127-152.

MARKIC, S.; CHILDS, P. E. Language and teaching and learning of chemistry. Chemistry Education Research and Practice, v. 17, p. 434-438, 2016.

MORTIMER, E. F. Construtivismo, mudança conceitual e ensino de Ciências: para onde vamos? Investigações em Ensino de Ciências, v. 1, n. 1, p. 20-39, 1996.

MORTIMER, E. F.; SCOTT, P. Atividade discursiva nas salas de aula de Ciências: uma ferramenta sociocultural para analisar e planejar o ensino. Investigações em Ensino de Ciências, v .7, n. 3, p. 283-306, 2002.

MORTIMER, E. F. Linguagem e formação de conceitos no ensino de Ciências. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2011. 373 p.

MORTIMER, E. F.; SCOTT, p.; EL-HANI, C. N. Bases teóricas e epistemológicas da abordagem dos perfis conceituais. Tecné, Episteme y Didaxis, n. 30, p. 111-125, 2011.

MORTIMER, E. F.; EL-HANI, C. N. Uma visão sócio-interacionista e situada dos conceitos e a internalização em Vygotsky. In: IX ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS, 2013, Águas de Lindóia. Anais... São Paulo: IX ENPEC, 2013. p. 1-9.

PEREIRA, A. P. Distribuição conceitual no Ensino de Física Quântica: uma aproximação sociocultural às teorias de mudança conceitual. 2012. 210f. Tese (Doutorado em Ensino de Física) – Instituto de Física, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, 2012.

TABER, K. S. Exploring the language(s) of chemistry education. Chemistry Education Research and Practice, v. 16, p. 193-197, 2015.

TOMASELLO, M. Origens culturais da aquisição do conhecimento humano. Martins Fontes: São Paulo, 2003.

VIGOTSKI, L. S. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. 5. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1994.

VYGOTSKY, L. S. The genesis of higher mental functions. In: WERTSCH, J. V. (Ed.). The concept of activity in Soviet psychology, Armonk, NY: Sharpe, 1931/1981. p. 144-188.

WELLS, G. Learning and teaching “scientific concepts”: Vygotsky’s ideas revisited. Conference, “Vygotsky and the Human Sciences”, Moscow, Sept. 1994.

WERTSCH, J. V. Vygotsky y la formacion social de la mente. Barcelona: Ediciones Paidós, 1988.

WOCH, J. The language of chemistry: A study of English chemical vocabulary. Beyond Philology, v. 12, p. 77-108, 2015.

e2765056


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.14244/198271992765

____________

Propriedade Intelectual

Revista Eletrônica de Educação adota a licença Creative Commons BY-NC do tipo "Atribuição Não Comercial".

Essa licença permite, exceto onde está identificado, que o usuário final remixe, adapte e crie a partir do seu trabalho para fins não comerciais, sob a condição de atribuir o devido crédito e da forma especificada pelo autor ou licenciante.

Para mais informações, consultar: https://br.creativecommons.org/

____________

REVISTA ELETRÔNICA DE EDUCAÇÃO. São Carlos (SP): Universidade Federal de São Carlos, Programa de Pós-Graduação em Educação, 2007- . Publicação contínua. ISSN 1982-7199. Disponível em: http://www.reveduc.ufscar.br