Valorização dos profissionais ou desprofissionalização na educação infantil? “novas” e “velhas” representações do professor (Valorization of professionals or desprofissionalization in children education? "new" and "old" representations of the teacher)

Jani Alves da Silva Moreira, Heloísa Irie Saito, Maria Eunice França Volsi, Lucinéia Maria Lazaretti

Resumo


The purpose of the text is to analyze the policies that constitute the professionalization of the teacher and the process of de professionalization of the teacher of the Child Education, in order to identify the current dilemmas around the criteria and the concept of being a teacher at this educational stage. This is a critical documentary analysis of official governmental sources, resulting from a research developed in the Pirapó Working Group, linked to the Forum of Early Childhood Education of Paraná and to the Inter-Forum Movement of Infantile Education of Brazil, in the period from 2015 to 2017. The mediated analyzes are relevant, since they present the defense of the specific training to the professional that educates the children in Early Childhood Education. We concluded as a conclusion the need for the permanence of teachers with pedagogical training in children's education because we understand that such training enhances the development of a pedagogical work that articulates the care and education, thus allowing a quality Child Education for all children.

Resumo
Objetivamos, neste texto, analisar as políticas que constituem a profissionalização do professor e o processo de desprofissionalização do docente da Educação Infantil, a fim de identificar os dilemas atuais em torno dos critérios e do conceito de ser professor nessa etapa da educação básica. Trata-se de uma análise crítica de documentos de fontes oficiais governamentais, que foram levantados em uma pesquisa desenvolvida pelo Grupo de Trabalho (GT) Pirapó, vinculado ao Fórum de Educação Infantil do Paraná (Feipar) e ao Movimento Interfóruns de Educação Infantil do Brasil (Mieib), no período de 2015 a 2017. As análises mediadas são relevantes, pois apresentam a defesa da formação específica ao profissional que atua na Educação Infantil. Elencamos, como conclusão, a necessidade da permanência de professores com formação pedagógica na Educação Infantil, porque entendemos que tal formação potencializa o desenvolvimento de um trabalho pedagógico que articula o cuidar e o educar, permitindo assim uma Educação Infantil de qualidade para todas as crianças.

Resumen
El objetivo del texto es analizar las políticas que constituyen la profesionalización del profesor y el proceso de desprofesionalización del profesor de Educación Infantil, a fin de identificar los dilemas actuales en torno a los criterios y el concepto de ser profesor en esta etapa educativa. Se trata de un análisis crítico documental de fuentes oficiales gubernamentales, resultante de una investigación desarrollada en el Grupo de Trabajo (GT) Pirapó, vinculado al Foro de Educación Infantil de Paraná y al Movimiento Interfuerte de Educación Infantil de Brasil, en el período de 2015 a 2017. Los análisis mediados son relevantes, pues presentan la defensa de la formación específica al profesional que educa a los niños en la Educación Infantil. En el caso de la educación infantil, se debe tener en cuenta la necesidad de la permanencia de profesores con formación pedagógica en la educación infantil porque entendemos que tal formación potencializa el desarrollo de un trabajo pedagógico que articula el cuidar y el educar, permitiendo así una educación infantil de calidad para todos los niños.

Palavras-chave: Educação infantil, Profissionalização do professor, Políticas educacionais.
Keywords: Early childhood education, Professionalism of the professor, Educational policies.
Palabras clave: Educación infantil, Profesionalización del profesor, Políticas educativas.

References

BARBOSA, Maria Carmen Silveira; QUADROS, Vanessa da Silva Rocha. As aprendizagens cotidianas: os cuidados pessoais das crianças como gesto curricular. In: CARVALHO, Rodrigo Saballa de; FOCHI, Paulo Sergio (orgs.) Pedagogia do cotidiano na (e da) educação infantil. Em aberto, v. 30, n. 100, p. 45-70, set./dez. 2017.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Lei nº. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Fixa as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília, DF: MEC, 1996.

BRASIL. Casa Civil. Lei nº 11.738 de 16 de julho de 2008. Regulamenta a alínea “e” do inciso III do caput do art. 60 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, para instituir o piso salarial profissional nacional para os profissionais do magistério público da educação básica. Brasília, DF: Casa Civil, 2008. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11738.htm>. Acesso em: 18 set. 2014.

BRASIL. Lei nº 13.257, de 8 de março de 2016. Lei do Marco Legal da Primeira Infância. Disponível em < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2016/lei/l13257.htm> Acesso em 08/04/2017

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Câmara da Educação Básica. Resolução nº 5, de 17 de dezembro de 2009 que fixa Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Brasília, DF, MEC, 2009. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=9769-diretrizescurriculares-2012&category_slug=janeiro-2012-pdf&Itemid=30192 acesso em: 31/05/2016.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Ministério da Educação. Conferência Nacional de Educação. Documento Final. Brasília, DF: MEC, 2010.

BRASIL. Ministério da Educação.  Portaria Nº 1.407, de 14 de dezembro de 2010. Institui o Fórum Nacional de Educação – FNE. Disponível em: http://fne.mec.gov.br/9-uncategorised/926-portaria-1-407  Acesso em: 31/05/2016.

BRASIL. Casa Civil. Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação – PNE e dá outras providências. Brasília, DF: Casa Civil, 2014b. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2014/ lei/l13005.htm>. Acesso em: 22 ago. 2015.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara da Educação Básica. Revisão das Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. PARECER CNE/CEB Nº: 20/2009. Brasília. DF. 2009.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria da Educação Fundamental. Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil. Documento Introdutório. Brasília: MEC/SEF, v.1,2,3. 1998.

BRASÍLIA. Frente Parlamentar Mista da Primeira Infância. Centro de Estudos e Debates Estratégicos. Avanços do marco legal da primeira infância. 2016. Disponível em < http://primeirainfancia.org.br/wp-content/uploads/2016/07/Avancos-do-Marco-Legal-da-Primeira-Infancia-1.pdf> Acesso em 08/04/2017

CAMPOS, M. M. Educar e Cuidar: sobre o perfil do profissional de Educação Infantil. In: Por uma Política de Formação do Profissional de Educação Infantil. Brasília: BRASIL/MEC/SEF/COEDI, 1994, p. 32-42.

CAMPOS, M. M.; FÜLLGRAF, J.; WIGGERS, W.,  A qualidade da Educação Infantil brasileira: alguns resultados de pesquisa. Cadernos de Pesquisa, v. 36, n. 127, p. 87-128, jan./abr. 2006.

CNTE. Cumprimento da Lei do Piso do Magistério nas Redes Estaduais: Dez. 2016. Disponível em < http://www.cnte.org.br/index.php/tabela-salarial.html> Acesso em 22.02.2018

CNTE. O Piso Salarial do Magistério. 2018. Disponível em < http://www.cnte.org.br/index.php/cnte-na-midia/19481-o-piso-salarial-do-magisterio.html> Acesso em 22.02.2018

COUTINHO, Ângela Maria Scalabrin. A ação social dos bebês: um estudo etnográfico no contexto da creche. 2010. 291p. Minho-Pt: Tese (Doutoramento em Estudos da Criança. Especialidade em Sociologia da Infância), 2010.

KISHIMOTO, Tizuko. M. Política de formação profissional para a Educação Infantil: Pedagogia e Normal Superior. Educação & Sociedade, Campinas, n.68, p. 61-79, 1999. Ed. Especial.

KRAMER, Sonia. Subsídios para uma política de formação do profissional de Educação Infantil - Relatório. In: Por uma Política de Formação do Profissional de Educação Infantil. Brasília, MEC/SEF/DPE/COEDI, 1994.

LEONTIEV, Aléxis N. O desenvolvimento do psiquismo. Lisboa: Livros Horizonte, 1978.

MACHADO, Maria Lucia de A. Desafios iminentes para projetos de Formação de Profissionais para Educação Infantil. Cadernos de Pesquisa, nº 110, p. 191-202, julho/ 2000.

MARANHÃO, Damaris Gomes. O cuidado como elo entre saúde e educação. Cadernos de Pesquisa, n. 111, p. 115-133, dez. 2000.

ROSEMBERG, Fúlvia. Formação do profissional de educação infantil através de cursos supletivos. In: BARRETO, Angela Maria Rabelo (Org.) Por uma política de formação do profissional de educação infantil, p. 51-63, 1994.

SAVIANI, N. Educação Infantil versus educação escolar: implicações curriculares de uma (falsa) oposição. In: ARCE, A.; JACOMELI, M. R. M. (Org.). Educação Infantil versus educação escolar?: entre a (des)escolarização e a precarização do trabalho pedagógico nas salas de aula. Campinas: Autores Associados, 2012. p. 53-79.

e2663033


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.14244/198271992663

____________

Propriedade Intelectual

Revista Eletrônica de Educação adota a licença Creative Commons BY-NC do tipo "Atribuição Não Comercial".

Essa licença permite, exceto onde está identificado, que o usuário final remixe, adapte e crie a partir do seu trabalho para fins não comerciais, sob a condição de atribuir o devido crédito e da forma especificada pelo autor ou licenciante.

Para mais informações, consultar: https://br.creativecommons.org/

____________

REVISTA ELETRÔNICA DE EDUCAÇÃO. São Carlos (SP): Universidade Federal de São Carlos, Programa de Pós-Graduação em Educação, 2007- . Publicação contínua. ISSN 1982-7199. Disponível em: http://www.reveduc.ufscar.br