Significando a experiência: autoanálise de três professores iniciantes no Estágio Supervisionado (Meaning the experience: self-analysis of three beginning teachers in the Supervised Practice)

Eliane Aparecida Miqueletti, Milenne Biasotto, Tiago Dziekaniak Figueiredo

Resumo


This work in form of reflexive report aims to present the professional experience of three teacher advisor in their firts contact with Compulsory Supervised Practice in Letters and Mathematics courses at Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD). Through the production of the reflexive report, which is going to work as a self-analysis mechanism, we intend to assign meanings to the experiences we lived between 2016 and 2017. For this, in the first moment, we are going to present some information about the teachers advisors and their first impressions about the Supervised Practice. After this, the paths taken by these professionals in the attempt of construction of an initial formation intermediated by the Supervised Practice are indicated. With this, we expect to deepen the dialogical relation between theory, practice and reflection on practice in the curricular component we conduct, providing improvement both for the future teachers initial formation and a close relation between university and basic education. We verified that Mandatory Supervised Practice involves structural and pedagogical factors that influence its development, among them are: the gap between the school calendar of basic education and the university one, the number of trainees per teacher advisor, the profile of the trainees, especially those of night courses. Reflecting on our practices, supported by theories that underlie this reflection, leads us to attribute meaning to our actions and consequently to seek changes when necessary.

Resumo
Este trabalho, em forma de relato reflexivo, visa apresentar a experiência profissional de três professores formadores em seu primeiro contato com o Estágio Supervisionado Obrigatório nos cursos de Letras e Matemática da Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD). A partir da produção do relato reflexivo, que funcionará como mecanismo de autoanálise, buscaremos atribuir significados às experiências por nós vivenciadas entre os anos de 2016 e 2017. Para isso, no primeiro momento, apresentaremos informações sobre a formação desses professores orientadores e as primeiras impressões com o Estágio Supervisionado. Logo depois, os caminhos percorridos por esses profissionais na tentativa de construção de uma formação inicial intermediada pelo Estágio Supervisionado. Esperamos, com isso, aprofundar a relação dialógica entre teoria, prática e reflexão sobre a prática no componente curricular que conduzimos, propiciando tanto melhorias para a formação inicial dos futuros docentes que orientamos, como uma relação mais estreita entre universidade e educação básica. Verificamos que o Estágio Supervisionado Obrigatório envolve fatores estruturais e pedagógicos que influenciam no seu desenvolvimento, entre eles estão: o descompasso entre o calendário escolar da educação básica e da universidade, a quantidade de estagiários por orientador de estágio, o perfil dos estagiários, sobretudo dos cursos noturnos. Refletir sobre nossas práticas, amparados por teorias que fundamentam essa reflexão, leva-nos a atribuir significação às nossas ações, e, consequentemente, a buscar mudanças quando necessárias.

Keywords: Supervised practice, Teacher advisor, Teachers initial formation.
Palavras-chave: Estágio supervisionado, Professor orientador, Formação inicial do professor. 

References

AROEIRA, K. P. Estágio supervisionado e possibilidades para uma formação com vínculos colaborativos entre a universidade e a escola. In: PIMENTA, S. G., ALMEIDA, M. I. de. Estágios Supervisionados na formação docente. São Paulo: Editora Cortez, 2014.

AZEVEDO, M. A. R.; ANDRADE, M. F. R. O trabalho de orientação dos estágios frente aos diferentes cenários educacionais. In: Currículo sem Fronteiras, v.11, n.2, pp.147-161, jul./dez. 2011.

CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E CULTURA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS. Aprova o regulamento geral dos cursos de graduação da UFGD, parte integrante desta resolução. RESOLUÇÃO Nº. 53 DE 01 DE JULHO DE 2010.

CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E CULTURA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS. Aprova o Regulamento de estágio para os estudantes dos cursos de graduação da UFGD, parte integrante desta Resolução. RESOLUÇÃO Nº139 de 18 de setembro de 2014.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia. Saberes necessários à prática educativa. 6°ed. São Paulo: Editora Paz e Terra, 1996.

GATTI, B. A. Licenciaturas: crise sem mudança? In: DALBEN, A. I. L. de F. et al. (orgs.). Convergências e tensões no campo da formação e do trabalho docente. Belo Horizonte: Editora Autêntica, 2010a. p. 485-508.

GATTI, B. A. Formação de professores no Brasil: características e problemas. Revista Educação e Sociedade, Campinas, v. 31, n. 113, p. 1355-1379, out.-dez. 2010b.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. RESOLUÇÃO Nº 2, DE 1º DE JULHO DE 2015.

PÉREZ GOMES, A. I. Qualidade do ensino e desenvolvimento profissional do docente como intelectual reflexivo. Motriz, Rio Claro, v. 3, n. 1, p. 29-43, Junho/1997. 

PIMENTA, S. G.; LIMA, M. S. L. Estágio e docência. São Paulo: Cortez, 2004.

PIMENTA, S. G. O estágio na formação de professores: unidade teoria e prática? 11. ed. São Paulo: Cortez, 2012.

SIGNORINI, I. Gêneros catalisadores: letramento & formação do professor. São Paulo: Parábola Editorial, 2006.

TARDIF, M.; LESSARD, C. O trabalho docente: elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas. 8. Ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2013.

ZABALA, A. A prática educativa: como ensinar. Porto Alegre: Artmed, 1998.

ZABALZA, M. A. O estágio e as práticas em contextos profissionais na formação universitária. São Paulo: Editora Cortez, 2014.

e2582031


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.14244/198271992582

____________

Propriedade Intelectual

Revista Eletrônica de Educação adota a licença Creative Commons BY-NC do tipo "Atribuição Não Comercial".

Essa licença permite, exceto onde está identificado, que o usuário final remixe, adapte e crie a partir do seu trabalho para fins não comerciais, sob a condição de atribuir o devido crédito e da forma especificada pelo autor ou licenciante.

Para mais informações, consultar: https://br.creativecommons.org/

____________

REVISTA ELETRÔNICA DE EDUCAÇÃO. São Carlos (SP): Universidade Federal de São Carlos, Programa de Pós-Graduação em Educação, 2007- . Publicação contínua. ISSN 1982-7199. Disponível em: http://www.reveduc.ufscar.br