Formação inicial do pedagogo para integrar as TDIC às práticas educativas: um estudo de caso (Initial formation of the Pedagogue to integrate the DICT into educational practices: a case study)

Lucas Marfim, Lucila Pesce

Resumo


This article derives from a research whose objective was to investigate how the formative processes about the integration of Digital Information and Communication Technologies (DICT) in the field of Education, in the Pedagogy course of a federal university in the state of São Paulo, Brazil, contribute to the training of its graduates. To do so, it considered the daily experience of the students with the TDIC, the requisitions for its use by the university, and the formative experiences lived in the curricular disciplines that work with the relations between TDIC and Education. The research is based on the point of view of qualitative research, as a case study. As data production, the research used an open-ended questionnaire and semi-structured interviews and as a method of data analysis, it used a descriptive statistical analysis, as well as thematic analysis of content. The discussions revealed a secondary role in incorporating and discussing the relationships involved in DICT and in the teaching and learning processes, since their direct discussion is arranged only in elective disciplines. It was also verified that the DICT-Education relationship ends up being confined to the discussion of the technological apparatuses as didactic-methodological tools, in the exercise of teaching. The research also points that the challenge that the training process provides a relationship in which the DICT are together with the socio-cultural practices experienced by the subjects, demanding the integration of the DICT throughout the course, in a transversal way and as a cultural process, beyond the strictly pedagogical sense.

Resumo

O presente artigo deriva de uma pesquisa que teve por objetivo investigar em que medida os processos formativos que inserem e tematizam a integração das Tecnologias Digitais de Informação e Comunicação (TDIC) ao campo da Educação, no curso de Pedagogia de uma universidade federal, no estado de São Paulo, contribuem para a formação de seus licenciandos. Para tanto, considerou a experiência cotidiana dos licenciandos com as TDIC, as requisições para seu uso, pela universidade, e as experiências formativas vivenciadas nas disciplinas que tematizam as relações entre TDIC e Educação. A investigação é concebida sob a ótica da pesquisa qualitativa, em caráter de estudo de caso. Estabeleceu-se como instrumentos de produção de dados, a aplicação de questionário aberto-fechado e de entrevistas semiestruturadas e como método de exame dos dados, a análise estatística descritiva e a análise temática de conteúdo. Os achados revelaram um papel secundarizado na incorporação, problematização e discussão das relações envoltas às TDIC e aos processos de ensino e aprendizagem, posto que sua tematização direta seja disposta apenas em disciplinas de caráter eletivo. Também foi constatado que a relação TDIC-Educação acaba por se circunscrever à discussão dos aparatos tecnológicos como ferramentas didático-metodológicas, no exercício da docência. Da discussão dos resultados emerge como principal apontamento, o desafio de que o processo formativo proporcione uma relação em que as TDIC estejam imbricadas às práticas socioculturais vivenciadas pelos sujeitos, demandando a integração das TDIC, em todo o curso, de forma transversal e como processo cultural, para além do estritamente pedagógico.

Palavras-chave: Formação inicial do pedagogo, Tecnologias digitais da informação e comunicação, Racionalidade tecnológica, Práticas culturais.

Keywords: Initial teacher training, Digital information and communication technologies, Technological rationality, Cultural practices.

References

ADRIÃO, T. Educação e produtividade: a reforma do ensino paulista e a desobrigação do Estado. 1ª ed. São Paulo: Xamã, 2006.

ANDRÉ, M. O que é estudo de caso qualitativo em educação? Revista da FAEEBA: Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 22, n. 40, p. 95-103, jul./dez. 2013.

BELLONI, M. L.; GOMES, N. G. Infância, mídias e aprendizagem: autodidaxia e colaboração. Educ. Soc. [online]. 2008, vol.29, n.104, pp.717-746. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-73302008000300005&lng=en&nrm=iso>

BONILLA, M. H. S.; PRETTO, N. L. Política educativa e cultura digital: entre práticas escolares e práticas sociais. Revista Perspectiva, v. 33, n. 2, p. 499 – 52, maio/ago. 2015. Disponível em: <https://periodicos.ufsc.br/index.php/perspectiva/article/view/36433> Acesso em: 05/02/2017.

CASTELLS, M. A Sociedade em rede. Trad. Roneide Venâncio Majer; Atualização para 6ª: Jussara Simões. São Paulo: Paz e Terra, 2010.

CONTRERAS, J. A autonomia dos professores. Trad. Sandra Trabucco Valenzuela. 2ª ed. São Paulo: Cortez, 2012.

CUNHA, A. G. Dicionário etimológico da língua portuguesa. São Paulo: Nova Fronteira, 1986.

FREIRE, P. A máquina está a serviço de quem? Revista BITS, v. 1, n. 7, p. 6. São Paulo, maio, 1984.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 25ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2015a.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 56ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2015b.

FREIRE, P.; SHOR, I. Medo e ousadia: o cotidiano do professor. Trad. de Adriana Lopez. 1ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1986.

GATTI, B. A.; BARRETO, E. S. de S. Professores do Brasil: impasses e desafios. 1ª ed. Brasília: UNESCO, 2009.

GIROUX, H. A. Os professores como intelectuais: rumo a uma pedagogia crítica da aprendizagem. Trad. Daniel Bueno. 1ª ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

LAMBERT, W. W.; LAMBERT, W. E. Psicologia social. Rio de Janeiro: Zahar, 1981.

LAVILLE, C.; DIONNE, J. Manual de metodologia da pesquisa em ciências humanas. Trad. H. Monteiro e F. Settineri. Porto Alegre: Artmed, 1999.

LÉVY, P. As tecnologias da inteligência: o futuro do pensamento na era da informática. Trad. Irineu da Costa. 2ª ed. Rio de Janeiro: Editora 34, 2010.

MARCUSE, H. Tecnologia, guerra e fascismo: coletânea de artigos de Herbert Marcuse. Ed. Douglas Kellner. Trad. M. Cristina Vidal Borba. São Paulo: Editora UNESP, 1999.

NOVA, C.; ALVES, L. A. Comunicação digital e as novas perspectivas para a educação. 2002. Disponível em: <http://www.lynn.pro.br/pdf/art_redecom.pdf > Acesso em: 13 set. 2014.

PARO, V. H. Educação como exercício do poder: crítica ao senso comum em educação. 2ª ed. São Paulo: Cortez, 2010.

PESCE, L. O programa um computador por aluno no estado de São Paulo: confrontos e avanços. 2013. Disponível em: http://36reuniao.anped.org.br/pdfs_trabalhos_encomendados/gt16_trabencomendado_lucilapesce.pdf>. Acesso em: 05/02/2017.

PESCE, L. Políticas de formação inicial de professores, tecnologias e a construção social do tempo. EccoS, Revista Científica. v. 33, n. 01, jan.-abril. 2014. p. 157-172. Disponível em: http://www4.uninove.br/ojs/index.php/eccos/article/viewFile/3598/2721 Acesso em: 25/05/2017.

PESCE, L.; ABREU, C. B. de M. Pesquisa qualitativa: considerações sobre as bases filosóficas e os princípios norteadores. Revista Educação e Contemporaneidade. v. 22, n. 40, jul.-dez. 2013. p. 19-30. Disponível em: http://www.revistas.uneb.br/index.php/faeeba/article/view/747/520. Acesso em 05/02/2017.

SANTAELLA, L. Potenciais e desafios da sociedade informacional. 2005. Disponível em: < http://www.crics.info/program/public/documents/salvadorsantaella-141327.pdf> Acesso em: 20 de abril de 2017.

SAVIANI, D. Escola e democracia. 23º edição. Cortez: São Paulo, 1991.

TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.

XAVIER, A. C. Leitura, texto e hipertexto. In: MARCUSCHI, L. A.; XAVIER, A. C. (orgs.). Hipertexto e gêneros digitais: novas formas de construção do sentido. 2ª ed. Rio de Janeiro: Lucerna, 2005.

e2544006


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.14244/198271992544

____________

Propriedade Intelectual

Revista Eletrônica de Educação adota a licença Creative Commons BY-NC do tipo "Atribuição Não Comercial".

Essa licença permite, exceto onde está identificado, que o usuário final remixe, adapte e crie a partir do seu trabalho para fins não comerciais, sob a condição de atribuir o devido crédito e da forma especificada pelo autor ou licenciante.

Para mais informações, consultar: https://br.creativecommons.org/

____________

REVISTA ELETRÔNICA DE EDUCAÇÃO. São Carlos (SP): Universidade Federal de São Carlos, Programa de Pós-Graduação em Educação, 2007- . Publicação contínua. ISSN 1982-7199. Disponível em: http://www.reveduc.ufscar.br