Macroinclusão e microexclusão no contexto educacional (Macroinclusion and microexclusion on education context)

Ana Carolina Faustino, Amanda Queiroz Moura, Guilherme Henrique Gomes da Silva, João Luiz Muzinatti, Ole Skovsmose

Resumo


Abstract
Microexclusions occur through subtle and often covert practices that can be devastating to victims. They tend to isolate an individual in a given environment, even in cases where this environment is considered inclusive. This article aims to define and characterise the concept of microexclusion, macroexclusion, microinclusion and macroinclusion, presenting examples of how such practices can manifest in diverse environments, as well as in the school environment. In particular, it is intended to discuss an important phenomenon: macroinclusions may lead to microexclusions. These notions will be related to inclusive education and, more specifically, mathematical education, observing possible types of microexclusions. We consider that with this knowledge, it is possible to identify microexclusion processes that relate to practices in the classroom, as well as it allows an analysis of the tensions that can occur in such an environment.

Resumo
As microexclusões ocorrem através de práticas sutis e, muitas vezes, encobertas, que podem ser devastadoras para as vítimas. Microexclusões tendem a isolar um indivíduo em um determinado ambiente, também em casos em que este ambiente é considerado inclusivo. Este artigo tem como objetivo elaborar o conceito de microexclusão, macroexclusão, microinclusão e macroinclusão, apresentando exemplos de como tais práticas podem manifestar-se em diversos ambientes, assim como, no ambiente escolar. Em especial almeja-se discutir um importante fenômeno: macroinclusões podem levar a microexclusões. Essas noções serão relacionadas à educação inclusiva e, mais especificamente, à educação matemática, observando-se possíveis tipos de microexclusões. Consideramos que com este conhecimento, é possível identificar processos de microexclusão que se relacionem com práticas na sala de aula, assim como possibilita uma análise das tensões que podem ocorrer em tal ambiente.

Keywords: Microexclusion, Macroinclusion, Inclusion, Mathematics Education.
Palavras-chave: Microexclusão, Macroinclusão, Inclusão, Educação Matemática.

References

ALRØ, H.; SKOVSMOSE, O. Dialogue and learning in mathematics education: intention, reflection, critique. Dordrecht: Kluwer Academic Publishers, 2004.

ALRØ, H.; SKOVSMOSE, O. Diálogo e aprendizagem em educação matemática. Tradução de Orlando de A. Figueiredo. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2015. (Coleção Tendências em Educação Matemática).

ANTUNES, K. C. V. Contradições e marcas do processo de Inclusão escolar de pessoas com deficiência. Revista UNIFESO - Humanas e Sociais, Teresópolis, v. 1, n. 1, p. 185-209, 2014. 

BELLINI, J. 'Fiquei revoltada', diz mãe de criança anã que teve matrícula escolar negada. G1, Sorocaba e Jundiaí, 2016. Disponível em: <http://g1.globo.com/sao-paulo/sorocaba-jundiai/noticia/2016/01/fiquei-revoltada-diz-mae-de-crianca-ana-que-teve-matricula-escolar-negada.html>. Acesso em: 10 junho 2017.

BRASIL. Decreto n. 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a lei de acessibilidade, n. 10.098/2000 e a lei de libras, n. 10.426. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, 2005. 

BRASIL. Secretaria de Educação Especial. Ministério da Educação. Política Nacional de Educacão Especial na Perspectiva da Educacão Inclusiva. Brasília: Documento elaborado pelo Grupo de Trabalho nomeado pela Portaria no 555/2007, prorrogada pela Portaria no 948/2007, entregue ao Ministro da Educacão em 07 de janeiro de 2008, 2008.

BRASIL. Lei 12.711 de 29 de agosto de 2012. Dispõe sobre o ingresso nas universidades federais e nas instituições federais de ensino técnico de nível médio e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 30 ago. 2012, p. 1. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12711.htm>. Acesso em: 20 jan. 2014.

BRASIL. Plano Nacional de Educacão 2014-2024. Lei n. 13.005, de 25 de junho de 2014, que aprova o Plano Nacional de Educacão (PNE) e dá outras providênncias. Série Legislação. Brasília, DF: Câmara dos Deputados, Edições Câmara, 2014. 86 p. Disponível em: <http://www.observatoriodopne.org.br/uploads/reference/file/439/documento-referencia.pdf>. Acesso em: 10 maio 2016.

BRASIL. Lei nº 13.146, de 6 de Julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 2015. 

CAMACHO, M. M.; LORD, S. M. "Microaggressions" in Engineering Education: Climate for Asian, Latina and White Women. 2011 Frontiers in Education Conference (Fie),  2011. 

CONSTANTINE, M. G. et al. Racial microaggressions against black counseling and counseling psychology faculty: A central challenge in the multicultural counseling movement. Journal of Counseling and Development, v. 86, n. 3, p. 348-355, 2008. 

FERREIRA, M. C. C.; ZAMPIERI, M. A. Atuação do professor ouvinte na relação com o aluno surdo: relato de experiências nas séries iniciais do ensino fundamental. In: LODI, A. C. B.; LACERDA, C. B. F. D. (Org.). Uma escola, duas línguas. Porto Alegre: Mediação, 2009. (letramento em língua portuguesa e língua de sinais nas etapas iniciais de escolarização),

FREDRICKSON, G. M. Racism: a short history. Princeton, NJ: Princeton University Press, 2002.

FREIRE, P. Ação cultural para a liberdade e outros escritos. 10. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2002. 149 p.

GOLDFIELD, M. A criança surda: linguagem e cognição numa perspectiva sociointeracionista. 5. ed. São Paulo: Plexus Editora, 2002.

HALL, J. M.; FIELDS, B. African Americans' Narratives of Stressful Responses to Racial Microaggressions. Annals of Behavioral Medicine, v. 47, p. S200-S200, Apr. 2014. 

JANUZZI, G. D. M. A educação do deficiente no Brasil: dos primórdios ao início do século XXI. Campinas: Autores Associados, 2004.

KASSAR, M. D. C. G. Deficiência múltipla e educação no Brasil: discurso e silêncio na história dos sujeitos. Campinas: Autores Associados, 1999.

KOTAKI, C. S.; LACERDA, C. B. F. D. O intérprete de Libras no contexto da escola inclusiva: focalizando sua atuação na segunda etapa do ensino fundamental. In: SANTOS, L. F. D.; LACERDA, C. B. F. D. (Org.). Tenho um aluno surdo, e agora?: Introdução à Libras e educação de surdos. São Carlos: Editora da Universidade Federal de São Carlos, 2013. p. 201-218.

LACERDA, C. B. F. D. O intérprete de língua de sinais em sala de aula: experiência de atuação no ensino fundamental. Revista Contrapontos, Itajaí, v. 5, n. 3, p. 353-367, set./dez. 2005. Disponível em: <http://siaiweb06.univali.br/seer/index.php/rc/article/view/833>. Acesso em: 22 ago. 2016.

MARCELLY, L. Do improviso às possibilidades de ensino: estudo de caso de uma professora de matemática no contexto da inclusão de estudantes cegos. 2015. 194 f. Tese (Doutorado em Educação Matemática) – Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 2015.

RISTOFF, D. O novo perfil do campus brasileiro: uma ana?lise do perfil socioeconomico do estudante de graduação. Avaliação, Campinas; Sorocaba, v. 19, n. 3, p. 723-747, nov. 2014. 

ROSA, E. A. C. Professores que ensinam matemática e a inclusão escolar: algumas apreensões. 2014. 160 f. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática) – Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 2014.

SILVA, G. H. G. Equidade no acesso e permanência no ensino superior: o papel da educação matemática frente às políticas de ações afirmativas para grupos sub-representados. 2016. 359 f. Tese (Doutorado em Educação Matemática) – Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 2016.

SILVA, G. H. G. Educação matemática e ações afirmativas: possibilidades e desafios na docência universitária. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 47, n. 165, p. 820-846, 2017. 

SILVA, G. H. G.; POWELL, A. B. Microagressões no ensino superior nas vias da educação matemática. Revista Latinoamericana de Etnomatemática, San Juan de Pasto, Colômbia, v. 9, n. 3, p. 44-76, 2016. 

SILVA, G. H. G.; SKOVSMOSE, O. Affirmative actions in terms of rights and social justice. In: SILVA, G. H. G. Equidade no acesso e permanência no ensino superior: o papel da educação matemática frente às políticas de ações afirmativas para grupos sub-representados. 2016. 359 f. Tese (Doutorado em Educação Matemática) – Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 2016. p. 156-174

SKOVSMOSE, O. Cenários para investigação. Boletim de Educação Matemática (BOLEMA), Rio Claro, v. 13, n. 14, p. 66-91, 2000. 

SKOVSMOSE, O. Educação Crítica: incerteza, matemática, responsabilidade. Tradução de Maria Aparecida Viggiani Bicudo. São Paulo: Editora Cortez, 2007.

SOLÓRZANO, D. G. Critical race theory, race and gender microaggressions, and the experience of Chicana and Chicano scholars. International Journal of Qualitative Studies in Education (QSE), v. 11, n. 1, p. 121-136, 1998. 

SOLÓRZANO, D. G.; CEJA, M.; YOSSO, T. J. Critical race theory, racial microaggressions, and campus racial climate: The experiences of African American college students. Journal of Negro Education, v. 69, n. 1-2, p. 60-73, Winter/Spring. 2000. 

SUE, D. W. et al. Racial microaggressions in everyday life: implications for clinical practice. Am Psychol, v. 62, n. 4, p. 271-86, May/June. 2007. 

VILLA, M. A. História das Constituições brasileiras: 200 anos de luta contra o arbítrio. São Paulo: Leya, 2011.

VITHAL, R. Researching, and Learning Mathematics at the Margin: from "Shelter" to School In: ENERST, P.; GREER, B.; SRIRAMAN, B. (Org.). Critical Issues in Mathematics Education. Charlotte, NC: Information Age Publishing, 2009. p. 475-484.

YOSSO, T. J. et al. Critical Race Theory, Racial Microaggressions, and Campus Racial Climate for Latina/o Undergraduates. Harvard Educational Review, v. 79, n. 4, p. 659-690, 2009.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.14244/198271992212

____________

Propriedade Intelectual

Revista Eletrônica de Educação adota a licença Creative Commons BY-NC do tipo "Atribuição Não Comercial".

Essa licença permite, exceto onde está identificado, que o usuário final remixe, adapte e crie a partir do seu trabalho para fins não comerciais, sob a condição de atribuir o devido crédito e da forma especificada pelo autor ou licenciante.

Para mais informações, consultar: https://br.creativecommons.org/

____________

REVISTA ELETRÔNICA DE EDUCAÇÃO. São Carlos (SP): Universidade Federal de São Carlos, Programa de Pós-Graduação em Educação, 2007- . Publicação contínua. ISSN 1982-7199. Disponível em: http://www.reveduc.ufscar.br