Lógica privada na educação pública, redes globais e a formação de professores (Private logic in public education, global networks and teacher training)

Maria Raquel Caetano

Resumo


Abstract
The strategies of private management in education, in Brazil, enable and deepen the reproduction of capital through education and its reflexes in the management of education and school. We will analyze in this article how the managerial conception of the management of education and the public school in the proposal of the Teaching Brazil program of the global
Teach for All, network which operates in 40 countries and on five continents, as well as the consequences for teacher education. This peculiar form of relationship between public and private, through partnerships or other forms of management, operates through the installation of a series of market tools in the very operation of public policy and school. We will present how this institution, which operates in the public networks of Brazil, influences the formation of teachers, seeking a light training, precarious work of the teacher, using the mercantile logic and changing the content of public education, democratic management and training of teachers in this context.
Keywords: Teacher training, Public-private partnership, Educational policy.

Resumo
Analisaremos, neste artigo, como ocorre a concepção gerencial mercantil da gestão da educação e da escola pública na proposta do programa Ensina Brasil da rede global Teach for All, que opera em 40 países e nos cinco continentes, bem como as consequências dessa ação para a formação de professores. Essa forma peculiar de relação entre o público e o privado, a partir de parcerias ou outras formas de gestão, opera mediante a instalação de uma série de ferramentas de mercado no próprio funcionamento da política pública e da escola. Apresentaremos a rede global através do Programa Ensina Brasil que atua nas redes públicas do país e influencia na formação de professores, buscando uma formação aligeirada, precarizando o trabalho docente, utilizando-se da lógica mercantil e alterando, dessa forma, o conteúdo da educação pública, da gestão democrática e da formação de professores nesse contexto.
Palavras-chave: Formação docente, Público-privado, Política educacional.

Resumen
Como estrategias de gestión privada en educación, no Brasil, viabilizar y aprofundar una reproducción del capital por la educación y sus reflexiones en la gestión de la educación y la educación. Analisaremos, neste artigo, como se hace una concepción gerencial mercantil de la gestión de la educación y de la escuela pública en la propuesta de programa Ensina Brasil de la red global Enséñale a todos los que trabajan en 40 países y en los cinco continentes. Esta forma peculiar de relación entre el público y el privado, a través de parcerias u otras formas de gestión, operar por la instalación de una serie de herramientas de mercado no por el funcionamiento de la política pública y la escuela. Presentaremos como esta institución, que actua en las redes públicas de Brasil, la influencia de la formación de profesores, la búsqueda de una formación de alumbramiento, la precarización del trabajo del profesor, la utilización de la lógica mercantil y el cambio de contenido de la educación pública, la gestión democrática y la formación De professores nesse contexto.
Palabras-clave: Formación docente, Público-privado, Política educativa.

References

BALL, S. J. Educação Global S. A.: novas redes de políticas e o imaginário neoliberal. Tradução de Janete Bridon. Ponta Grossa: UEPG, 2014. 270 p.

BALL, S.; OLMEDO. A. A “nova” filantropia, o capitalismo social e as redes de políticas globais em educação. In: PERONI, V. (org.). Redefinições das fronteiras entre o público e o privado: implicações para a democratização da educação. Brasília: Liber Livro, 2013. p.33-47.

BALL, S.; YOUDELL. D. Hidden Privatisation in Public Education. Institute of Education, University of London. Bruxelas, 2008. Disponível em: http://www.campaignforeducation.org/docs/privatisation/Endogenous%20Privatization%20Stephen%20Ball_ENGLISH.pdf Acesso em: 18 dez. 2017.

BOCCHETTI, A. Um governo máximo, um professor mínimo: tecnologias de produção docente em programas especiais de formação. In: SOUZA; D. T. R.; SARTI, F.M. (orgs.). Mercado de formação docente. Belo Horizonte, MG: Fino Traço, 2014, 286 p., p. 171-190.

BRASIL. Ministério da Administração e Reforma do Estado (MARE). Plano Diretor da Reforma do Aparelho de Estado. Brasília, 1995.

CAETANO, M. R. Ensino Médio no Brasil e privatização do público: o caso do Instituto Unibanco. Universidade e Sociedade, Brasília, DF, v. XXIV, p. 84-99, 2015.

CHESNAIS, F. A mundialização do capital. Tradução de Silvana Finzi Foá. São Paulo: Xamã, 1996, 336 p.

DUARTE, N. Vigotski e o “aprender a aprender”: críticas às apropriações neoliberais e pós-modernas da teoria vigotskiana. Campinas, São Paulo: Autores Associados, 2001. 269 p.

ENSINA BRASIL. Disponível em: <http://ensinabrasil.org/.> Acesso em: 2 out. 2016.

FREITAS, L. C. Crítica da organização do trabalho pedagógico e da didática. Campinas: Papirus, 1995. 288 p.

FREITAS, L. C. “Notório saber”: vire professor em 5 semanas. Avaliação EducacionalBlog do Freitas. Publicado em 24 de setembro de 2016. Disponível em: https://avaliacaoeducacional.com/2016/09/24/notorio-saber-vire-professor-em-5-semanas/. Acesso em 3 de jul .2017.

FUNDAÇÃO ESTUDAR.  Disponível em:<https://www.estudar.org.br/#quem-somos>. Acesso em: 25 out. 2016.

HEILIG, J. D. J. S. J. Teach for America: a review of the evidence. Boulder and tempe: Education and the Public Interest Center & Education Policy Research Unit, 2010. Disponível em: <http://www.greatlakescenter.org/docs/Policy_Briefs/Heilig_TeachForAmerica.pdf.>. Acesso em: 5 jan. 2016.

LIMA, J. Á. Redes na Educação: questões políticas e conceptuais. Revista Portuguesa de Educação, Braga, Portugal, v. 20, nº 2, p.171-181, 2007.

LIMA, K. Contra-reforma da educação superior em FHC e Lula. São Paulo: Xamã, 2007. 206 p.

OLIVEIRA, N. B. Reforma do Ensino Médio, gênero e desvalorização do magistério. Disponível em: <http://blogjunho.com.br/reforma-do-ensino-medio-genero-e-desvalorizacao-do-magisterio/. 29 de setembro de 2016.>. Acesso em: 2 out. 2016.

OLIVEIRA, R. P. de; SOUZA, S. Z. L. de. Políticas de avaliação da educação e quase mercado no Brasil. In: Educação e Sociedade, Campinas, vol.24, n.84, p.873-895, set. 2003.

PECCI, A.; PIERANTI, O. P.; RODRIGUES, S. Governança e New Public Management: convergências e contradições no contexto brasileiro. Revista Organização & Sociedade, Salvador, v. 15, n. 46, p. 39-55, jul./set. 2008.

PERONI, V.M.V. Implicações da relação público-privado para a democratização da educação no Brasil. In: PERONI, V.M.V (org.). Diálogos sobre as redefinições no papel do Estado e nas fronteiras entre o público e o privado na educação. São Leopoldo: Oikos, 2015. 326 p., p. 15-34.

PERONI, V.M.V; CAETANO, M.R. Atuação em Rede e o Projeto Jovem de Futuro: a privatização do público. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 41, n. 2, p. 407-428, abr./jun. 2016.

PINHO, A. Entrevistamos a cofundadora do Ensina Brasil, que quer atrair jovens talentos para a educação. Na Prática.org. Em 13.04.2016.s.p. Disponível em:<https://www.napratica.org.br/ensina-brasil-versao-brasileira-do-teach-for-all-abre-as-portas-no-pais.>. Acesso em: 2 out. 2016.

SANTOS, O. J. Reestruturação capitalista: educação escolar. Revista Trabalho e Educação, Belo Horizonte, vol.13, n.1, p. 78-89, n.1-jan./jul.2004.

SAVIANI, D. Pedagogia histórico crítica: primeiras aproximações. Campinas: Cortez Autores Associados, 1996, 137 p.

SOUZA, D. T. R.; SARTI, F. M. Mercado simbólico de formação docente. In: ______ (orgs.). Mercado de formação docente. Belo Horizonte, MG: Fino Traço, 2014, 286 p. 3-19.

TEACH FOR ALL. Network Partners. Disponível em:<http://teachforall.org/en/our-network-and-impact/network-partners>. Acesso em: 2 out.2016.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.14244/198271992109

____________

Propriedade Intelectual

Revista Eletrônica de Educação adota a licença Creative Commons BY-NC do tipo "Atribuição Não Comercial".

Essa licença permite, exceto onde está identificado, que o usuário final remixe, adapte e crie a partir do seu trabalho para fins não comerciais, sob a condição de atribuir o devido crédito e da forma especificada pelo autor ou licenciante.

Para mais informações, consultar: https://br.creativecommons.org/

____________

REVISTA ELETRÔNICA DE EDUCAÇÃO. São Carlos (SP): Universidade Federal de São Carlos, Programa de Pós-Graduação em Educação, 2007- . Quadrimestral. ISSN 1982-7199. Disponível em: http://www.reveduc.ufscar.br