Falas, afetos, sons e ruídos: as crianças e suas formas de habitar e participar do espaço escolar (Speech, affections, sound and noise: children and their ways of living and participating in school)

Lucia Rabello de Castro, Carina Borgatti Moura, Isa Kaplan Vieira, Juliana Siqueira de Lara

Resumo


Abstract
The present paper analyzes the speech, the affections, the sounds and the noise, as forms of children’s expressions as they inhabit and participate in school. We were interested in examining how these complementary sonic and affective contours of discourse are associated with the students’ actions and their involvement with school and its demands. The empirical research, conducted in eleven public schools, comprehending over 400 students from Elementary and High School, used participant observation and discussion groups as its method. The results evidenced the importance of affections, emotions and nonverbal expressions to understand the social and generational dynamics which produce the political conditions of speech and listening for children at school. Through categories named as ‘complaints’, ‘passivity’ and ‘imaginary disrupters’, we analyze how the actions of students can be read as an important expression of what they think and feel about the process of transmission and a way of constructing collective senses to the student’s unique position vis-a-vis the adult.
Keywords: Children, School, Affects, Action.

Resumo
O presente trabalho analisa as falas, os afetos, os sons e os ruídos, como formas de expressão das crianças ao habitarem e participarem do espaço escolar. Interessou-nos examinar como estes contornos sonoros e afetivos complementares ao discurso associam-se a modos de ação de alunos e alunas no seu envolvimento com a escola e suas demandas. A pesquisa
de campo em onze escolas públicas, abarcando mais de 400 alunos e alunas do Ensino Fundamental e Ensino Médio, foi realizada através de observação-participante e grupos de discussão. Os resultados evidenciaram a importância dos afetos, emoções e expressões não-verbais para se compreender as dinâmicas sociais e intergeracionais que criam as
condições políticas de fala e de escuta para as crianças na escola. A partir de categorias nomeadas como ‘queixumes’, ‘passividade’ e ‘rompantes imaginários’, analisamos como as ações de alunos e alunas podem ser lidas como uma importante expressão do que pensam e sentem acerca do processo de transmissão e constituir sentidos coletivos para a posição
singular do estudante frente ao adulto.
Palavras-chave: Crianças, Escola, Afetos, Ação.

Resumen
En este trabajo se analisa las falas, los afectos, los sonidos y los ruídos, como formas de expresión de los niños al habitaren y participaren del espacio escolar. Hubo interés de examinar como estos contornos sonoros y afectivos complementares al discurso se asocian a modos de acción de alumnos y alumnas en su envolvimiento con la escuela y sus demandas.
La investigación de campo en once escuelas públicas, abarcando más de 400 alumnos e alumnas de Ensino Fundamental y Ensino Médio, se efectuó a través de observación-participante y grupos de discusión. Los resultados evidenciaran la importancia de los afectos, emociones y expressiones no-verbales para entender las dinâmicas sociales y intergeracionales que crian las condiciones políticas de fala y de escucha para los niños y niñas en la
escuela. A partir de categorias nombradas como ‘quejas, ‘passividad’ y ‘explosiones imaginarias’, analisamos como las acciones de alumnos y alumnas pueden ser leídas como una importante expresión de lo que piensan y sienten acerca del processo de transmission y constituir sentidos colectivos para la posición singular de lo estudante frente al adulto.
Palabras claves: Niños y niñas, Escuela, Afectos, Acción.

References

ANSART, P. As humilhações políticas. In: MARSON, Isabel; NAXARA, Marcia. Sobre a humilhação: sentimentos, gestos, palavras. Uberlândia: EDUFU, 2005, p. 15-48.

CASTRO, L. R.; NASCIMENTO, E. M. Politizar as relações entre jovens e adultos? A construção da experiência escolar pelos estudantes. Estudos de Psicologia, v. 18, n. 2, p. 359-367, 2013.

CASTRO, L., MATTOS, A. R., PÉREZ, B. C., MACHADO, C. C., ALMADA, C. V. R., SILVA, C. F. S; LIBARDI, S. Falatório: participação e democracia na escola. Rio de Janeiro: Contracapa, 2011.

CELIS, A. G. O desafio de uma cidadania crítica na infância chilena.  DESIDADES, Revista Eletrônica de Divulgação Científica da Infância e Juventude, 11 (4), p.22- 31, 2016.

COUTINHO, L. G.; OSÓRIO, B.; NUNES, S. Encontros e desencontros entre adolescentes e escola. Fractal: Revista de Psicologia, v. 24, n. 2, p. 341-352, maio/ago. 2012. 

COUTRIM, R.; FERREIRA, F. M.; LEBOURG, E. H.. Estudar para quê? A (des) valorização do ensino médio na fala de três gerações. Revista Eletrônica de Educação, São Carlos-SP, v. 10, n. 2, p. 72-83, 2016.

HUMPHRIES, S. Hooligans or rebels? An oral history of working-class childhood and youth 1889-1939. Oxford: Basil Blackwell, 1983.

JAMES, A. Agency. In: QVORTRUP, J; CORSARO, W. A.; HONIG, M.-S (Eds.) The Palgrave handbook of Childhood Studies. London: Palgrave Macmillan, 2009, p. 34-45.

JARDIM, M. D.. Infância e ação: entre o desenvolvimento do indivíduo e a participação no mundo comum. 2015. 101f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Instituto de Psicologia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro. 2015.

JASPER, J. M. The emotions of protest: Affective and reactive emotions in and around social movements. In: _______. Sociological Forum. Kluwer Academic Publishers-lenum Publishers, vol. 13, No. 3. p. 397-424, Sep., 1998.

JERUSALINSKY, A. Apesar de você, amanhã há de ser outro dia. In: CALLIGARIS, C. et al.  Educa-se uma criança. Porto Alegre: Artes e Oficios, 1994, p. 13-23.

KEHL, M. R. Ressentimento. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2007. 248p.

LOPREATO, C. S. R. O respeito de si mesmo: Humilhação e Insubmissão. In: MARSON, I.; NAXARA, M. (orgs.). Sobre a Humilhação: sentimentos, gestos, palavras. Uberlândia: EDUFU, 2005, p. 247-263.

OHLWEILER, M. I.; FISCHER, R. M. B. Autoridade, infância e “crise na educação”. Cadernos de pesquisa, São Paulo. 43 (148), p. 220-239, 2013.

OST, D. Politics as the mobilization of anger: emotions in movement and in power. European Journal of Social Theory, v. 7, n. 2, p. 229-244,  2004.

OSWELL, D. Yet to come? Globality and the sound of an infant politics. Radical Politics Today, v. 1, n. 1, p. 1-18, 2009.

OSWELL, D. Voice, Body and Experience: Cultural Contexts for Children’s Mediated Rights, 2008. Disponível em: https://www.academia.edu/209036/Voice_Body_and_Experience_Cultural_Contexts_for_Childrens_Mediated_Rights?auto=download, Acesso: em 03/01/2017.

PANELLI, R. Commentary: Performing Bodies and Contestation. In: HÖRSCHELMANN, Kathrin; COLLS, Rachel. Contested bodies of childhood and youth. London, UK: Palgrave Macmillan, 2010. p. 247-253.

PASIAN, M.; VELTRONE, A.; CAETANO, N. C. Avaliações educacionais e seus resultados: revelando ou omitindo a realidade brasileira sobre o fracasso escolar. Revista Eletrônica de Educação, São Carlos, SP: UFSCar, v. 6, no. 2, p. 440-456, nov. 2012.

PROUT, A.; JAMES, A. A new paradigm for the sociology of childhood? Provenance, promise and problems. In: JAMES, A.; PROUT, A. (Eds.). Constructing and reconstructing childhood: contemporary issues in the sociological study of childhood. London: Falmer, 2005 [1990], p. 7-34.

RUITENBERG, C. Conflict, affect and the political: On disagreement as democratic capacity. Factis Pax, v. 4, n. 1, p. 40-55, 2010.

SIMPSON, B. The body as a site of contestation in school. In: PROUT, Alan (Ed.). The body, childhood and society. London: MacMillan Press., p. 60-78, 2000.

SNYDERS, G. Alunos felizes. São Paulo: Paz e Terra, 1993.

VALENTINE, G. Children’s bodies: An absent presence. In: HÖRSCHELMANN, Kathrin; COLLS, Rachel. Contested bodies of childhood and youth. London, UK: Palgrave Macmillan, 2010. p. 22-37.

VALENTINE, K. Accounting for agency. Children and Society. v. 25, p. 347–358, 2011.

VORRABER, M. A Escola tem futuro. Rio de Janeiro: DP&A, 2003.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.14244/198271992019

____________

Propriedade Intelectual

Revista Eletrônica de Educação adota a licença Creative Commons BY-NC do tipo "Atribuição Não Comercial".

Essa licença permite, exceto onde está identificado, que o usuário final remixe, adapte e crie a partir do seu trabalho para fins não comerciais, sob a condição de atribuir o devido crédito e da forma especificada pelo autor ou licenciante.

Para mais informações, consultar: https://br.creativecommons.org/

____________

REVISTA ELETRÔNICA DE EDUCAÇÃO. São Carlos (SP): Universidade Federal de São Carlos, Programa de Pós-Graduação em Educação, 2007- . Publicação contínua. ISSN 1982-7199. Disponível em: http://www.reveduc.ufscar.br